Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Rodapé.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Header.png
Barra-Positiva.png
  • Marcelo Pereira

Quentão e Vinho Quente a origem - parte II

Atualizado: há 6 dias

Fazer um paralelo dos nossos hábitos de consumo, conectando com influências de várias culturas que formam o Brasil, neste caso, direcionando a atenção para a Festa de São João, busco aqui escrever e dissertar sobre a origem do Vinho Quente e Quentão.





Egito Antigo

É encontrado em Abidos uma localização de tumbas importantes no Egito,  um jarro com resquícios de especiarias, plantas nativas medicinais e vinho, especialistas afirmam que a data é de aproximadamente 3.150 a.c.. Esta é uma das evidências médica-etílica mais antigas do mundo, entre as ervas encontradas estavam, menta, alecrim e pinheiro. E com certeza era algo muito importante pois foi levado junta a tumba com o corpo do Rei. 


Hipócrates


A origem do vinho quente é mais antiga que a Oxford mas não tanto pois a faculdade inglesa tem relatos de ensino do começo do milênio passado, quase impressionantes mil anos ensinando.


Voltemos a Grécia para encontrar Hipócrates (460 a.c. - 377 a.c.), para muitos o pai da medicina ocidental, a origem do vermute é creditada à ele, naquele tempo o vermute era usado como digestivo de forma medicinal, assim como os egípcios consumiam.


O vermute possuí varias ervas e especiarias, mas a erva que é encontrada na primeira receita e até hoje é a artemisia absinthium, popularmente conhecida como losna.


Os gregos já diluíam o vinho com água e adicionavam especiarias para diminuir o teor alcoólico do vinho e ter maior controle sobre a embriaguez, diferente dos romanos que possuíam um ritual bem próprio para beber, no qual o anfitrião comandava a bebedeira, como explica Mark Forsyth em seu livro traduzido para o português 'Uma Breve História da Bebedeira'.


Os romanos também possuíam um vinho temperado conhecido como conditum paradoxum, mas não continha losna somente especiarias, é possível aqui fazer um paralelo sobre o começo do vermute italiano e alguns vermutes do sul da europa.


Hippoccras

Hippoccras ou Ypocras possuí vários nomes tudo depende da localização da Europa, é uma bebida que faz homenagem ao grego Hipócrates, também por usar um equipamento de filtragem que Hipócrates usava, ficou popular durante a Europa medieval, diferente do vermute de origem grega não possuí losna, é a receita mais parecida com vinho quente consumido em várias culturas da Europa e também dos países que contém vinho e/ou foram colonizados por europeus. Também usado em seu princípio de forma medicinal. A receita contém gengibre, canela, noz moscada, grãos e açúcar. Eles eram preparados em panela/chaleiras rudimentares no fogo.




O vinho no Brasil

O primeiro vinicultor do Brasil foi Brás Cubas (1507-1592) fidalgo português, integrante da primeira expedição colonizadora ao Brasil, foi no sudeste brasileiro, na cidade de Cubatão, que ele plantou alguns parreirais com mão de obra indígena, muito possivelmente escravizados na época, financiamento da corte portuguesa e da igreja católica isso ocorreu no ano de 1532. Mas ainda não foi quando a cultura vínica se enraizou no Brasil. Devido ao clima a adequação no sudeste nesta primeira tentativa não obteve muito sucesso, foi quando em 1632, o padre argentino Roque González de Santa Cruz (1576-1628), encarregado das primeiras missões jesuítas entre os índios ( na primeira parte é possível entender melhor este movimento), o padre argentino levou as vinhas para a região dos Sete Povos das Missões. É possível achar registros que o vinho também era trazido nas embarcações portuguesas, então desde o começo da colonização portuguesa o vinho fazia parte do consumo dos mais ricos.

Podemos observar na primeira parte sobre o processo chamado aculturação, a absorção dos rituais indígenas pelas festividades católicas do mês de junho, com as missões é bem possível que já fosse servido Vinho Quente e Quentão, ou até uma mistura das dois, pois como vimos esse tipo de drinque já era bebido na Europa a bastante tempo.



Mapa do Vinho no Brasil, fonte: Ibravin

Hot Toddy

Hot Toddy é um drinque servido quente muito popular em alguns países, há indícios de sua origem ser da Índia quando era controlada pelos britânicos, por volta do ano de 1610. O nome originário da palavra hindi 'Taddy' que significa 'bebida feita de seiva de palma fermentada'. A primeira menção escrita do termo oficial 'Taddy' é datada de 1786 o significado: 'bebida feita de bebida alcoólica quente, com água quente, açúcar e especiarias'. Como a história da origem do drinque possuí várias versões é difícil precisar onde aquecer água e beber este drinque quente começou, dizem que os britânicos incorporaram este hábito indiano quando voltaram para suas terras e com a proximidade do whisky escocês foi natural acontecer esta mistura que se popularizou nos estados unidos também colônia britânica, hoje é possível encontrar este drinque feito com outros destilados.



Quentão

O quentão pode ser considerado nossa versão do Hot Toddy que tem origem indiana, mas na minha opinião seria um resumo inadequado o Quentão é bem mais que isso, ele está entrelaçado com nossas festividades e cultura, segundo o livro a Arte da Cozinha Brasileira de Leonardo Arroyo e Rosa Belluzo, o Quentão é composto por Aguardente, gengibre e açúcar, que se pode juntar na fervura canela em pau e cravo da índia, também conhecido como gengibrada. Confesso que foi a primeira vez que li sobre quentão ser chamado de gengibrada. Hoje também é adicionado alguns cítricos lembrando um pouco o bishop e alguns vinhos quentes que vimos na parte I.



O quentão é muito relacionado ao sudeste brasileiro mais precisamente no interior mineiro e paulistano, uma bebida tipicamente brasileira, é difícil indicar a data com exatidão onde surgiu mas sabemos que foi no interior de SP e MG que o nome do coquetel nasceu, o quentão possuí influências de diversas culturas assim como é moldado todo o Brasil, inclusive a própria festa junina onde é até hoje muito consumido esta bebida quente. 

Veredito

Como vimos o Vinho Quente tem uma origem muito antiga, chegou no Brasil pelo hábito dos Europeus, é difícil dizer se foram os alemães, portugueses ou italianos. Na Europa o vinho quente era adoçado com mel pelos pobres e açúcar pelos ricos (açúcar era muito caro na época), por isso algumas variações de vinho quente são encontradas com mel. Já o Quentão nasceu aqui no Brasil no processo de miscigenação cultural, nos costumes religioso de vários povos, e com ingredientes como especiarias trazidos de fora, o Quentão é feito com o nosso destilado a Cachaça, uma bebida que carrega consigo a história do Brasil. Seu modo de preparo é sempre feito para grandes quantidades de pessoas, lembrando os antigos ponches. Sou nascido e criado no Rio Grande do Sul, desde sempre tomei "Quentão" com vinho, mas hoje defino depois desta pesquisa que o Vinho Quente é costume de vários povos do hemisfério norte e muitas vezes não possui destilado, no fim absorvemos este costume. O Quentão é uma bebida que não possuí adição de vinho é feito só com cachaça um drinque que é genuinamente brasileiro.




17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo