Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Rodapé.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Positiva.png
Barra-Header.png
Barra-Positiva.png
  • Marcelo Pereira

Por que vamos ao bar?

Confesso que, durante minha vida, fui mais ao bar para trabalhar do que para me divertir. Isso não quer dizer que não tenha me divertido trabalhando, mas o meu principal objetivo é elevar a experiência de quem entra pela porta do bar, além de entregar o melhor serviço dentro da realidade que eu me encontro.

Comecei a trabalhar na noite no ano de 2013, em uma loja dentro do bar Opinião, em Porto Alegre - RS. Naquela época, já observava a maneira como nos comportamos em um ambiente de bar, e, em uma breve conclusão, descobri que buscamos muito mais que o ato de simplesmente beber: buscamos nos encontrar e nos conectar com a sociedade.


Gary Regan já dizia que vamos a um bar à procura de algo mais. Se fosse apenas para consumir álcool, compraríamos algumas cervejas e beberíamos em casa, o que até seria mais barato. Falando no consumo de bebidas alcoólicas, vejo a ascensão de um consumo mais consciente de alguns bares, principalmente fora do Brasil. Nestes, ocorre um desenvolvimento em coquetéis sem álcool (conhecidos também como Mocktails). Além disso, podemos observar uma movimentação por parte da indústria, com marcas investindo na produção de cervejas e destilados não alcoólicos ou em produtos com baixo teor alcoólico, como é o caso dos Hard seltzer. Baseado neste movimento de marcas e interesses globais, posso dizer que o movimento de sair para "tomar uma" não necessariamente é interligado ao álcool. Muitas vezes, bebemos por uma pressão social. Até a construção do sabor nos molda para estar naquele momento de interação com outras pessoas. Ou vai dizer que a primeira vez que bebeu cerveja, você gostou?


O que buscamos, de fato, quando vamos à um bar? Buscamos experiências, conexões, interação com a nossa comunidade e até a melhora da autoestima. Sair remete a nos arrumarmos - um autocuidado que, muitas vezes e ,principalmente, durante essa época de maior importância de um isolamento social, não damos a devida a atenção, talvez pela falta de rotina mesmo.


Mais do que nunca, precisamos consumir localmente, ajudar e apoiar os bares da nossa região. Vejo um esforço enorme de tentarmos emular a experiência do bar no formato de tele entrega, mas, infelizmente, nunca terá o mesmo efeito. Apesar de produtos incríveis sendo entregues, não conseguimos nos conectar com as pessoas que, normalmente, nos conectávamos. A experiência de bar, justamente, só vai se repetir na reabertura dos bares e restaurantes. Lutemos por vacinação em massa, para podermos nos encontrar e brindar - com ou sem álcool.




82 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo